Não se passou, nem três meses desde Travis Kalanick, ex-executivo-chefe da Uber, se demitiu do cargo. Na época, a empresa gigante de Taxi estava lidando com uma série de escândalos que vão desde as alegações de assédio sexual a uma investigação criminal em seu uso de software de evasão policial . Agora, o novo CEO tem outro problema a tratar uma investigação do FBI.

UBER
UBER

A Reuters relata que o FBI está investigando se Uber usou um programa, conhecido internamente como “Inferno”, para interferir ilegalmente com uma empresa concorrente de viagens. O programa em questão usou falsas contas da Lyft para permitir que Uber rastreie os drivers de seus concorrentes e os preços de cada viagem. Uber também conseguiu coletar dados sobre os drivers que trabalhavam para ambas as empresas, permitindo que ele pressionasse esses drivers para deixar Lyft.

A empresa afirma que o programa já não está em uso, mas isso não parou a investigação. Se o FBI determinar que o uso do Inferno constitui acesso não autorizado de um computador, Uber pode estar em sérios problemas.

A notícia desta investigação ocorre apenas alguns dias depois que um juiz federal demitiu um processo de ação coletiva contra Uber pelo uso do inferno. Esse é um bom sinal para a empresa, embora o juiz tenha demitido a queixa com permissão para alterar. Isso significa que o autor tem outra chance de apresentar uma ação judicial revisada. O prazo para isso é 14 de setembro.





Conteúdo Correspondente:

Escreva um comentário