A Hyundai está cada vez mais perto da Fiat-Chrysler. Na Coréia do Sul, estamos falando de valores e outros detalhes da negociação, que estarão secretamente em andamento. Para ambos os lados, o ganho de uma fusão seria enorme, especialmente para o fabricante asiático, que enfrenta algumas dificuldades comerciais no momento. Um sindicato Hyundai-FCA daria ao fabricante sul-coreano a maior posição do mundo como fabricante e vendedor de automóveis. A estimativa é de 13 milhões de veículos com base nos 11,5 milhões vendidos pelas duas empresas em 2016. Isso está bem acima da Volkswagen, Toyota e até a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

Hyundai
Hyundai

Para a Hyundai, a primeira posição é uma posição de importância e reconhecimento global. Mas na prática, ter FCA também significaria resolver alguns problemas importantes. Um deles é a queda nos mercados dos EUA e da China, o último devido a questões diplomáticas. A este respeito, as relações entre a Coréia do Sul e os EUA estão muito mais próximas por causa da crise na península coreana e, evidentemente, a aquisição de um dos Três Grandes pela Hyundai seria bem-vinda pela Casa Branca.

Mesmo sem a FCA ter uma grande presença na China, isso compensaria o mercado dos EUA, onde é reconhecidamente um dos Três Grandes e ajudaria na recuperação das vendas baixas da Hyundai. Além disso, a Europa tem boa representação dentro da FCA com a Fiat e suas marcas, bem como no Brasil, onde também opera com o Jeep. Falando nisso, a recuperação chinesa pode ser com a marca americana, apreciada pelo consumidor local.

Finalmente, a crise nuclear envolvendo as duas Coreias e os EUA poderia ser compensada pela produção dos EUA nas fábricas da FCA. Mas, de acordo com o analista de mercado Lee Jae-il, diretor de Eugene Investment & Securities, o sindicato da Hyundai traria um conflito de interesse nos segmentos A, B e C, na medida em que a Fiat produz carros compactos que competem com os dos dois asiáticos marcas, de acordo com o Korean Herald.

Sabe-se, no entanto, que na Europa Ocidental não haveria um problema por causa do tamanho do mercado continental. Então, poderia haver tal coexistência. No Brasil, o HB20 é vice-líder e a Fiat já não tem um campeão de vendas para bater de frente com Onix, por exemplo. Então, não haveria uma amiga direta tão amigável. Na Índia, as vendas da Fiat são limitadas em comparação com o que a Hyundai chegou lá.

Para a FCA, ter a Hyundai como empresa-mãe significará uma redução significativa dos custos de produção. O mercado vê isso com bons olhos e os analistas acreditam que a sinergia entre as duas empresas não seria difícil, o que ajuda em economias de escala. Além disso, a capital sul-coreana pode acelerar a expansão do Jeep no cenário chinês para compensar as perdas da Hyundai e da Kia. Nos EUA, a RAM evitaria qualquer investimento adicional em camionetas da Hyundai, com apenas Santa Cruz. A sinergia poderia até levar a plataforma Fiat Toro na faixa sul-coreana em vez de RAM tentando imitá-la nos EUA.

Para Lee Jae-il, o negócio tem preço. De acordo com o analista sul-coreano, a Hyundai pode pagar cerca de US $ 9,83 bilhões para a FCA, mas isso inclui a marca Maserati e Magneti Marelli. Mas sem essas empresas, o valor cai pela metade. Os rumores dizem que a pressão da família Elkann é excelente em Marchionne, de modo que separa as operações de Alfa Romeo e Maserati, que continuaria com o grupo italiano junto com a Ferrari.

Mas, o valor total mencionado acima seria mais vinculado ao valor do sistema que a marca de luxo italiana. De acordo com Corriere Della Sera, existem duas opções para a Magneti Marelli: uma venda separada ou em conjunto com o grupo. Mas o primeiro, a ser feito para um fundo financeiro, por exemplo, poderia colocar toda a tecnologia de engenharia da Fiat Chrysler nas mãos de um competidor. Com a Hyundai, tudo estaria em casa. Mas sem ele, os sul-coreanos teriam que negociar com o novo dono, o que poderia ser um risco se eventualmente se tornasse um fabricante rival.

Embora sem Maserati e Alfa Romeo, a Hyundai não ficaria ruim no negócio, já que a escala de volume de tais marcas não fazia tanta diferença em termos globais, mas sua importância seria. De qualquer forma, isso também evitaria um possível conflito de interesse com o Gênesis, por exemplo.





Conteúdo Correspondente:

Escreva um comentário