De acordo com o The Wall Street Journal, a General Motors e a Ford estão juntas na missão de obter SUVs na supremacia automotiva americana. A informação que chega é que a GM vai retirar do mercado o Sonic compacto, que já foi vendido aqui e teve destino parecido. Além disso, a empresa considera o fim do Impala, um modelo que já tem 61 anos naquele país.

Além disso, no caso da Ford, o jornal não pegou ninguém de surpresa com o fim do Ford Fiesta nos EUA. O compacto de acesso da marca americana já não estava bem no volante em termos de vendas e sua finalidade já está bem no México, tanto na versão hatch quanto no sedã. É por isso que o modelo brasileiro recebeu uma contribuição financeira para uma atualização bem localizada, já que o objetivo é suprir os mercados latinos órfãos da versão mexicana.

Nova geração de modelos

A nova geração não vem aqui, com foco na Europa, embora já tenha sido vista na China, um mercado que faz sentido por causa de sua ganância por qualquer tipo de carro. Aliás, até as vans estão ganhando uma nova vida na terra do mandarim. A Tailândia também deveria parar de fazer o Fiesta a menos que haja demanda local e, nesse caso, seria a nova geração. Mas e quanto a Taurus? Ele também é citado por fontes de jornais.

Chevrolet Sonic
Chevrolet Sonic

Ford já indicou que o Fusion está indo para a China sem bilhete de volta, ainda mais com uma guerra comercial sino-americana sendo ensaiada. O Mondeo foi ameaçado, mas pelo que é dito, ganha sobrevivência na Espanha, mas não se sabe até quando. O Focus praticamente guardou as malas desde o escândalo (sim, o que aconteceu a seguir) no México, quando o novo projeto de geração e uma fábrica de zero km foram diluídos pela pressão de Trump e SUVs.

Os SUVs da GM

Mas de volta à GM, a Sonic nem sequer teve chance contra qualquer SUV oferecido nos EUA e é estranho que a montadora ainda mantenha a vela que mantém Cruze e Malibu lá. O consumidor americano já decidiu que o SUV é seu carro e sabemos que qualquer pessoa que pense de maneira diferente só compra picapes, a outra parte importante do negócio na terra do tio Trump. E agora, o que mais há para dar lugar a SUVs?

Críticos americanos dizem que essa onda de crossovers e SUVs deveria varrer a indústria norte-americana à medida que ela passa. Isso significa que os EUA estão surfando novamente em Santarém e desta vez a prancha é mais frágil. O problema é que o consumidor do país é volúvel e depende da gasolina barata e do arrendamento desenfreado que tomou conta das praias de costa a costa.

Alguns já dizem que esta bolha vai explodir mais cedo ou mais tarde, levando todo mundo para o fundo rochoso. A gasolina depende da cotação global e do pavio do Oriente Médio, sempre curto.





Conteúdo Correspondente:

Escreva um comentário