Alemanha, França, Reino Unido, Holanda, Noruega, Itália, China, Índia e outros países anunciaram datas para o fim da comercialização de carros movidos pela gasolina e diesel. Com a ascensão do carro elétrico, esses países estão procurando uma maneira de pressionar os fabricantes de veículos a mudar de curso, a fim de converter suas gamas de produtos impulsionadas por produtos petrolíferos para carros ecológicos, o que eliminará as emissões de poluentes das cidades.

Califórnia planeja proibir comercialização de automóveis a gasolina e diesel

Várias cidades e regiões da Europa já estão começando a restringir a circulação de veículos comuns para conter o aumento de índices de CO2 nas áreas centrais. O movimento se intensifica à medida que os fabricantes de veículos expandem suas gamas de carros elétricos e plug-ins híbridos. O compartilhamento é outro meio de veículo de emissão zero que domina a configuração urbana.


Mas e quanto ao mercado mais importante do mundo? Os EUA – no âmbito da administração Trump – não mostram sinais de seguir esse caminho nas próximas décadas, apesar do rigor das normas atuais. No entanto, a Califórnia quer dar um passo em frente do resto do país. O estado americano, governado como uma república, já considera a proibição do comércio de automóveis a gasolina ou diesel. Pelo menos no primeiro caso, isso quase soaria como uma ofensa ao mercado do país, apoiado basicamente pelo combustível.

A preocupação é a poluição ambiental e, sendo a mais rica e mais poluída nos EUA, a Califórnia quer seguir o mesmo caminho que países como a China. O governador Jerry Brown enviou uma declaração à Mary Nichols, presidente da CARB, órgão ambiental estadual, questionando por que eles ainda não tomaram a mesma decisão de encerrar as vendas de carros nos próximos anos. Brown acredita que a região pode fazer o mesmo, comparando com a China, que marca anualmente 25 milhões de veículos. A Califórnia é responsável por mais de 2 milhões de carros por ano.

Legalmente, no nível federal, o estado pode determinar sua própria legislação veicular e efetivamente impedir vendas de carros e caminhões a gasolina ou diesel. No entanto, a decisão local quebraria a subordinação à Agência Ambiental dos EUA (EPA) – e a administração atual da Casa Branca não permitiria a independência total do CARB sob a reivindicação de um enorme impacto nas vendas automotivas dos EUA.

Ainda assim, a Califórnia pode forçar legalmente a mudança do mercado local de carros comuns a elétricos através de novos padrões ambientais, além de impostos, aumento de impostos sobre combustíveis e redução de carros com energia. De qualquer forma, para um mercado de 16 milhões, assim como os EUA, a introdução de 2 milhões de eletricidade por ano servirá como um impulso para o resto do país. Estados como o vizinho Oregon provavelmente seguiriam o exemplo da Califórnia.