Mais uma vez o presidente do grupo Ferrari, Sergio Marchionne , que também é dono da marca Alfa Romeo disse que a montadora pode retornar à Fórmula 1 como equipe B da equipe Maranello para o desenvolvimento de jovens italianos.

Alfa Romeo

A declaração de Marchionne vem na semana em que a Scuderia confirmou que terão o vice-campeão GP2 Antonio Giovinazzi como terceiro piloto no próximo ano.


“O Alfa Romeo na Fórmula 1 pode ser um ótimo lugar para novos pilotos da Itália”, disse ele à mídia italiana.

“O melhor, Giovinazzi, já está conosco, mas há outros além dele que estão lutando para encontrar espaço.”

“Alfa Romeo, mais do que nossas equipes de clientes, poderia oferecer-lhes esse espaço.”

Marchionne, que há muito defende a idéia de uma equipe Alfa Romeo apoiada pela Ferrari na F1, admitiu que o projeto terá que “esperar um pouco” até que os carros da rua principal estejam prontos.

“O espaço para Alfa Romeo está lá, é um projeto que, qualquer que seja a forma, deve encontrar seu lugar”, acrescentou.

“Também falamos com (Mattia) Binotto e (Maurizio) Arrivabene (diretor técnico da Ferrari e chefe, respectivamente) para entender como a Alfa Romeo pode colaborar com a Ferrari”.

“O problema é que no momento, devido ao lançamento dos carros de rua, temos muitos compromissos do ponto de vista financeiro, com o lançamento de Giulia e Stelvio, temos de esperar um pouco. Espero poder trazer a equipe de volta “.

Abordagem não será como a Red Bull

Enquanto a academia da Ferrari vai ter dois pilotos para a GP2 em 2017 – Charles Leclerc e Antonio Fuoco – Antonio Giovinazzi – que terminou em segundo lugar no campeonato em 2016 – assinou com a Ferrari para ser o terceiro piloto da equipe de Fórmula 1.

Marchionne, entretanto, rejeitou sugestões de que a chegada do italiano colocaria uma pressão adicional sobre seus pilotos Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen. Ele insistiu em dizer que a política da Ferrari não é comparada como a da Red Bull, que trocou seus pilotos em meados de 2016.

“Não estamos tentando imitar a experiência de Helmut Marko (consultor Red Bull) com Verstappen na Red Bull”, explicou Marchionne. “Este é um caso único e não podemos fazer o mesmo.”

“Nós gostamos do Giovinazzi porque ele é um grande piloto, a Scuderia deve ter um grupo de jovens pilotos que devem estar prontos para se envolver, mas não sabemos se até o final de 2017 o Kimi continuará correndo”.

“Sebastian, por outro lado, terá que encontrar um sentimento melhor com o carro. Ele precisa ter um bom relacionamento com o carro de 2017. Nós lhe devemos muito e queremos dar-lhe um carro que está à altura. “





Conteúdo Correspondente:

Escreva um comentário